Charles Chaplin: “O grande ditador”

O filme “O grande ditador” de Charlie Chaplin”

Sinopse de “O grande ditador”:

“O grande ditador”: Na Frente Ocidental em 1918, um soldado judeu (Charlie Chaplin) lutando pela nação dos Poderes Centrais de Tomainia corajosamente salva a vida de um piloto ferido, o Comandante Schultz (Reginald Gardiner), que carrega documentos valiosos que poderiam proteger um Tomainia vitória. No entanto, o avião deles cai no meio do vôo, e o Private subsequentemente sofre perda de memória. Ao ser resgatado, Schultz é informado de que Tomainia se rendeu oficialmente às Forças Aliadas, enquanto o Soldado é levado para um hospital.

Chaplin como Adenóide Hynkel.
Vinte anos depois, ainda com amnésia, o soldado deixa o hospital para retornar à sua anterior profissão de barbeiro no gueto. O gueto agora é governado por Schultz, que foi promovido ao regime de Tomainian sob o impiedoso ditador Adenóide Hynkel (também Chaplin).

O barbeiro:

O Barbeiro se apaixona por uma vizinha, Hannah (Paulette Goddard), e juntos tentam resistir à perseguição das forças militares. As tropas capturam o Barbeiro e estão prestes a enforcá-lo, mas Schultz o reconhece e os reprime. Ao reconhecê-lo e lembrá-lo da Primeira Guerra Mundial, Schultz ajuda o Barbeiro a recuperar sua memória.

Enquanto isso, Hynkel tenta financiar suas crescentes forças militares tomando dinheiro emprestado de um banqueiro judeu chamado Hermann Epstein, levando a uma redução temporária das restrições ao gueto. No entanto, em última análise, o banqueiro se recusa a emprestar-lhe o dinheiro. Furioso, Hynkel ordena o expurgo dos judeus. Schultz protesta contra essa política desumana e é enviado para um campo de concentração. Ele foge e se esconde no gueto com o Barbeiro. Schultz tenta persuadir a família judia a assassinar Hynkel em um ataque suicida, mas eles são dissuadidos por Hannah. Tropas revistam o gueto, prendem Schultz e o Barbeiro e enviam ambos para um campo de concentração. Hannah e sua família fogem para a liberdade em um vinhedo no país vizinho de Osterlich.

Meio:

Hynkel tem uma disputa com o ditador sobre qual país deveria invadir Osterlich, enquanto um homem chamado Benzino Napaloni entra. Os dois ditadores discutem sobre um tratado para governar a invasão, enquanto jantam juntos em um buffet elaborado, que por acaso fornece uma jarra de “mostarda inglesa”. A briga esquenta e se transforma em uma briga de comida, que só é resolvida quando os dois homens comem a mostarda quente e são levados a cooperar. Depois de assinar o tratado com Napaloni, Hynkel ordena a invasão de Osterlich. Hannah e sua família são presas pela força invasora e espancadas por um esquadrão de soldados que chegam. O líder do esquadrão derruba Hannah no chão, fica de pé sobre ela e cruelmente come sua cesta de uvas.

Chaplin como Adenóide Hynkel (à direita) com Jack Oakie como Benzino Napaloni (à esquerda).
Escapando do acampamento com uniformes roubados, Schultz e o Barbeiro, vestidos como Hynkel, chegam à fronteira de Osterlich, onde um enorme desfile de vitórias está esperando para ser abordado por Hynkel. O verdadeiro Hynkel é confundido com o Barbeiro enquanto caçava patos em roupas civis e é nocauteado e levado para o acampamento. Schultz diz ao Barbeiro para ir até a plataforma e se passar por Hynkel, como a única maneira de salvar suas vidas quando chegarem à capital de Osterlich. O Barbeiro nunca fez um discurso público em sua vida, mas não tem outra escolha.

O aterrorizado Barbeiro sobe os degraus, mas inspira-se para tomar a iniciativa. Anunciando que ele (como Hynkel) mudou de idéia, ele faz um apelo apaixonado por fraternidade e boa vontade.

Discurso de Hynkel:

“Sinto muito, mas não quero ser um imperador. Isso não é da minha conta. Não quero governar ou conquistar ninguém. Gostaria de ajudar a todos, se possível. Judeu, gentio, homem negro, branco , todos queremos ajudar uns aos outros, os seres humanos são assim. Queremos viver pela felicidade uns dos outros, não pela miséria uns dos outros. Não queremos odiar e desprezar uns aos outros. E este mundo tem espaço para todos, e a boa Terra é rica e pode prover para todos. O modo de vida pode ser livre e belo, mas perdemos o caminho.

A ganância envenenou as almas dos homens, barricou o mundo com ódio, nos levou à miséria e derramamento de sangue. Desenvolvemos a velocidade, mas nos fechamos. A maquinaria que dá abundância nos deixou na miséria. Nosso conhecimento nos tornou cínicos, nossa inteligência dura e indelicada. Pensamos demais e sentimos muito pouco. Mais do que maquinaria, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de bondade e gentileza. Sem essas qualidades a vida será violenta, e tudo estará perdido.

Parte 2:

Entretanto, o avião e o rádio nos aproximaram. A própria natureza dessas invenções clama pela bondade nos homens, clama pela fraternidade universal, pela unidade de todos nós. Mesmo agora, minha voz está alcançando milhões em todo o mundo, por exemplo, milhões de homens, mulheres e crianças em desespero, vítimas de um sistema que faz os homens torturarem e encarcerarem inocentes. Para aqueles que podem me ouvir, eu digo não se desespere. A miséria que agora está sobre nós é apenas a passagem da ganância, a amargura dos homens que temem o caminho do progresso humano. O ódio dos homens passará, os ditadores morrerão e o poder que tiraram do povo voltará para o povo. E enquanto os homens morrerem, a liberdade nunca morrerá. …

Soldados! Não se entreguem aos brutos, homens que os desprezam, os escravizam, que regem suas vidas, dizem o que fazer, o que pensar e o que sentir! Que te treinam, te fazem dieta, te tratam como gado, te usam como bucha de canhão. Não se entreguem a esses homens não naturais, homens-máquina com mentes e corações de máquinas! Vocês não são máquinas! Você não é gado! Vocês são homens! Você tem o amor da humanidade em seus corações! Você não odeia! Apenas o não amado odeia, o não amado e o não natural!

Parte 3:

Soldados! Não lute pela escravidão! Lute pela liberdade! No capítulo 17 de São Lucas está escrito: “o Reino de Deus está no homem” não um homem nem um grupo de homens, mas em todos os homens! Em você! Você, o povo tem o poder, o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vocês, o povo, têm o poder de tornar esta vida livre e bela, de tornar esta vida uma aventura maravilhosa. Então, em nome da democracia, vamos usar esse poder, vamos todos nos unir!

Vamos lutar por um novo mundo, um mundo decente que dê aos homens uma chance de trabalhar, que dê aos jovens um futuro e à velhice uma segurança. Pela promessa dessas coisas, os brutos chegaram ao poder. Mas eles mentem! Mesmo assim, eles não cumprem essa promessa! E, acima de tudo, eles nunca vão! Os ditadores se libertam, mas escravizam o povo! Então, vamos lutar para cumprir essa promessa! Vamos lutar para libertar o mundo, para acabar com as barreiras nacionais, para acabar com a ganância, o ódio e a intolerância. Lutemos por um mundo de razão, um mundo onde a ciência e o progresso conduzam à felicidade de todos os homens. Soldados! Em nome da democracia, vamos todos nos unir! “

Fim:

Por fim, ele endereça uma mensagem de esperança a Hannah para ela possa ouvi-lo.

“Olhe para cima, Hannah. A alma do homem recebeu asas e, finalmente, ele está começando a voar. Ele está voando no arco-íris, na luz da esperança, no futuro, no futuro glorioso que pertence a você, a mim e a todos nós. “

Hannah ouve a voz do Barbeiro no rádio. Então, ela vira o rosto, radiante de alegria e esperança, em direção à luz do sol, e diz aos companheiros: “Escutem”.

Obrigado por ver “O grande ditador”!

Mais informação aqui (Wikipedia, IMDb). Mais filmes de Charlie Chaplin aqui.

Deixe uma comentário

%d blogueiros gostam disto: